Falta de chips aumenta a perspectiva de crise econômico-financeira em diversos setores da indústria

Atualizado: 18 de mai.


Foto: Canva


Com a escassez de semicondutores, especialista alerta sobre gestão de crise econômico-financeira e aponta soluções


Após atingir o setor automobilístico, a escassez de semicondutores tem levantado preocupações a demais indústrias, nas quais o dispositivo é indispensável para a fabricação de produtos. Recentemente, a falta de chip chegou aos cartões de crédito, e a Apple inclusive informou que deve reduzir a produção de celulares, demonstrando que o problema tem reverberações em escala global.

Trata-se de um efeito cascata: com a escassez dos dispositivos, o produto final fica ainda mais caro, contribuindo para a queda nas vendas e estimulando a crise econômico-financeira das companhias, que ainda sofrem as consequências da pandemia da COVID-19. Nesse cenário, é importante ter uma gestão estratégica, responsável e muita disciplina técnica e financeira a fim de evitar o desequilíbrio das operações.

Uma das soluções adequadas para crises em estágio inicial é a Consultoria Econômico-financeira, que consiste na organização das finanças, oferecendo soluções e estratégias para o enfrentamento da crise. O trabalho envolve uma equipe multidisciplinar - com economistas, contadores e administradores - que realiza um diagnóstico minucioso da companhia, levando em consideração os fatores externos e internos que têm impactado o negócio. A partir desse mapeamento é produzido um plano de ação, com abordagem estratégica para superação da crise. O time acompanha cada etapa, a fim de garantir o êxito do projeto. Em casos mais avançados, as empresas podem contar com o Turnaround, que implementa uma reestruturação profunda na empresa, podendo, inclusive, propor transformações mais disruptivas no modelo de negócios e no mix de produtos e serviços ofertados ao mercado. Para cenários extremos, o mais indicado é recorrer ao mecanismo jurídico da Recuperação Judicial. Acionando o judiciário, a companhia consegue um ambiente mais seguro para negociar as dívidas acumuladas e recuperar as atividades, evitando demissões e fechamento. A crise dos semicondutores - que deve durar até 2022 - tem se mostrado um desafio adicional para as empresas em um cenário mais amplo de retração econômica. Conhecer os mecanismos e acionar uma equipe especializada para auxiliar nesse período é essencial para tomada de decisão assertiva e traçar novos caminhos antes que o cenário se torne irrecuperável.

14 visualizações0 comentário